ORLA/BRASAL

Brasil Paralelo mira Geografia e Ciências Sociais após curso que desinforma sobre História

Depois da reportagem da Agência Pública, a produtora Brasil Paralelo divulgou que vai financiar cursos de História, Geografia e Ciências Sociais para estudantes de baixa renda para "formar a próxima geração de professores" do país.

Por Redação em 18/06/2024 às 19:44:50

Depois da reportagem da Agência Pública, a produtora Brasil Paralelo divulgou que vai financiar cursos de História, Geografia e Ciências Sociais para estudantes de baixa renda para "formar a próxima geração de professores" do país. É a primeira vez que a produtora reconheceu que criou o conteúdo de um curso de licenciatura à distância em História. 

A mensagem consta em um email enviado a assinantes da produtora na manhã desta terça-feira, 18 de junho, horas depois da publicação da reportagem. A empresa pede que seus assinantes apoiem um projeto intitulado "Mecenas" para financiar a graduação de alunos de baixa renda. Segundo a produtora, 50 estudantes já tiveram a formação paga pelos apoiadores, e uma nova turma deve ser aberta.

"Essa primeira turma já está perto de concluir a graduação", diz um apresentador da produtora em vídeo. "Não queremos parar em apenas um curso, pretendemos desenvolver novas formações como Licenciatura em Geografia e Ciências Sociais", continua a mensagem enviada a apoiadores.

O e-mail mente que "é proibido ser de direita nas universidades" e que o ensino das escolas brasileiras é "distorcido". Por isso, segundo a empresa, a Brasil Paralelo decidiu fazer "algo mais efetivo do que documentários e cursos", e criou a graduação. Um vídeo mostra depoimentos emocionados de alunos que vão "ajudar o Brasil" como professores do ensino fundamental e médio.

Reportagem mostrou como Brasil Paralelo é ligada a curso de História

Conforme a Pública revelou, o curso de História é oferecido pela universidade particular Ítalo Brasileiro e pode ter até mil novos alunos por ano. Os professores foram indicados pela própria produtora. 

A grade curricular do curso abarca somente a visão cristã da História. Pontos importantes do passado brasileiro, como o genocídio indígena durante a colonização portuguesa ou a escravidão de povos africanos, são relativizados ou sequer mencionados. Um dos professores defende que historiadores "devem ter fé" e que livros religiosos são tão confiáveis quanto documentos históricos.

O curso foi aprovado pelo Ministério da Educação em 2019, primeiro ano do governo Jair Bolsonaro. O coordenador é Rafael Nogueira, que foi presidente da Biblioteca Nacional e hoje preside a Fundação Catarinense de Cultura. Ele, assim como os outros professores do curso, é monarquista e olavista.

No vestibular de 2022, a parceria entre a Ítalo e a Brasil Paralelo foi anunciada explícitamente no site da universidade. No ano seguinte, porém, o site do curso não trazia nenhuma menção à produtora – ou seja, a ligação não ficava clara aos alunos que ingressaram na formação. A Brasil Paralelo também nunca havia divulgado oficialmente o curso em seus canais.

Como a Pública já mostrou, inspirada nas ideias do falecido guru bolsonarista Olavo de Carvalho, um dos objetivos da Brasil Paralelo é ocupar espaços nas escolas, universidades e na cultura com conteúdo ligado à direita conservadora. Ela reproduz um discurso sem embasamento de que esses locais foram apropriados pela esquerda.

Fonte: Agência Pública

Tags:   Português
Comunicar erro
TAGUATINGASHOPPING

Comentários

PONTUAL CARGO