ORLA/BRASAL

Anvisa dá passo importante para liberar bula digital de remédios

Nesta quarta-feira (10), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou projeto-piloto para implantação da bula digital de medicamentos brasileiros.

Por Meu Quadradinho em 10/07/2024 às 22:44:26

Nesta quarta-feira (10), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou projeto-piloto para implantação da bula digital de medicamentos brasileiros.

Para que isso seja possível, em certas medicações, será inserido um QR Code, que, ao ser lido, redirecionará o usuário a um link com informações adicionais sobre o remédio em questão.

Mesmo com a bula digital, caso o paciente queira a versão impressa, estabelecimentos precisarão fornecê-la (Imagem: David Pereiras/Shutterstock)

Segundo a Anvisa, o projeto terá validade até 31 de dezembro de 2026. A agência informou ainda que as informações coletadas e monitoradas até o fim do prazo servirão para futura regulamentação definitiva.

Ao votar, o relator do projeto e diretor da Anvisa, Daniel Pereira, analisou que a proposta da bula digital significa modernização e transformação digital na saúde, de acordo com o resto do planeta.

Constitui o primeiro passo para que se inicie a transição da informação sobre medicamentos em papel para a eletrônica, e gerando uma oportunidade para aprimorar a acessibilidade e personalização das informações de saúde.

Daniel Pereira, diretor da Anvisa e relator do projeto

Leia mais:

Bula digital: como vai funcionar

  • O QR Code irá levar o usuário não somente à bula digital do medicamento, como, também, para informações extras, tais como vídeos e demais instruções para ajudar no uso da medicação;
  • A princípio, a bula digital será liberada para os seguintes medicamentos:
    • Embalagens de amostras grátis;
    • Remédios destinados a estabelecimentos de saúde, como hospitais, clínicas, ambulatórios e serviços de atenção domiciliar (exceto farmácias e drogarias);
    • Medicamentos Isentos de Prescrição (MIP) e comercializados em múltiplas embalagens, que já são encontrados em prateleiras e gôndolas de farmácias e drogarias, que, por vezes, não contam com bula física;
    • Remédios que têm como destino governos, em embalagens do Ministério da Saúde.

A Anvisa informou que, mesmo com a bula digital, a versão física deve continuar sendo oferecida se pacientes ou profissionais do setor pedirem-na.

Bula digital, além de informações complementares, serão acessíveis via QR Code (Imagem: E.Va/Shutterstock)

Além disso, locais que vendem medicações (como farmácias e drogarias) precisam deixar claro ao consumidor que ele pode solicitar a versão impressa da bula. Isso se dará por meio de aviso, com os seguintes dizeres: "Atenção: Este estabelecimento dispensa medicamentos com bula digital! Você pode acessá-la online. Caso prefira, solicite a bula impressa a um de nossos atendentes."

Comunicar erro
TAGUATINGASHOPPING

ComentĂĄrios

PONTUAL CARGO